Vôlei de praia

'Cascudas' de Olimpíadas, Larissa e Talita sonham alto: ouro em casa, no Rio 2016

Ambas têm experiência em duas edições dos Jogos: Pequim 2008 e Londres 2012
21/09/2015 16:13 - Atualizado em 21/09/2015 16:36
Por ahe!
RIO

Larissa e Talita iniciaram a parceria em 2014 – Divulgação/CBVNo dia 28 agosto de 2015, Larissa e Talita venciam as quartas de final do Grand Slam de Olsztyn, na Polônia, e atingiam uma pontuação que não poderia mais ser superada por nenhum time na corrida olímpica brasileira. Naquela data, as duas garantiram presença nos Jogos Rio 2016. Com a experiência de já terem disputado duas edições da maior competição esportiva do planeta, elas sonham alto.

- Só participar não é mais o meu sonho. Hoje eu sonho mais alto: ganhar uma medalha e ganhar uma medalha de ouro - afirmou a sul-mato-grossense Talita, de 33 anos.

A parceria entre elas nasceu em 2014. Antes disso, ambas competiram nas edições de Pequim 2008 e Londres 2012. Jogando com Ana Paula (Juliana se machucou às vésperas da competição), Larissa ficou em quinto lugar em Pequim. Na mesma edição, Talita chegou à semifinal com Renata e perdeu a vaga para a final para as futuras campeãs, as norte-americanas Walsh e May. Ela ainda brigou pelo bronze, só que o sonho da medalha olímpica foi embora na derrota para as anfitriãs Zhang e Xue.

- Escapou pelos dedos. Éramos um time mais novo, não tínhamos tanta experiência. Também por algumas coisas que aconteceram durante o processo da Olimpíada, por imaturidade mesmo, por não ter vivido tanto aqui ali. Pode não ter sido o melhor resultado, mas aprendeu-se muita coisa. Uma medalha foi perdida, mas isso faz com que você corra atrás do seu sonho - relembrou Talita.

Veja mais: Adrian Carambula deixa futebol e ex-parceiro Suárez para jogar vôlei de praia

Quatro anos depois, Talita ficou em nono em Londres, junto com Maria Elisa. Larissa, por sua vez, chegou à semifinal em 2012 ao lado de Juliana sem ter perdido um set sequer. Mas as norte-americanas Ross e Kessy pararam o time brasileiro. Era preciso superar a frustração para disputar o bronze.

- Quando a gente perdeu aquela semifinal foi triste, foi doído, mas sabíamos que tínhamos que buscar uma medalha no dia seguinte. A gente saiu do jogo, voltou para a vila (olímpica) e ninguém dava um pio. Aquele momento foi terrível, mas a gente tinha que se reerguer. Só quem vai para uma Olimpíada sabe o que é isso. É um evento diferente de todos os outros. O gatinho vira leão e o leão vira gatinho e a gente precisava ganhar aquela medalha - lembra a capixaba Larissa, também de 33 anos, que alcançou o bronze diante da mesma dupla chinesa que tirou o terceiro lugar de Talita em 2008: Zhang e Xue.

Larissa e Talita tem resultados bastante expressivos. Foram 61 vitórias consecutivas, recorde brasileiro. De 26 torneios disputados, foram 18 ouros. Considerando somente o Circuito Mundial, das 15 etapas de que participaram, foram a dez decisões e dez primeiros lugares.

Veja mais: Apesar do fim do sonho, Ricardo e Emanuel vão ficar na torcida no Rio 2016


compartilhar no